Tecnologia

©Shutterstock
#visionzero

O canteiro de obras sustentável e conectado

miúdo tempo de leitura
Tags: ZeroAcidentes, ZeroEmissões, Conectividade, Segurança, Mobilidadeelétrica, Eficiência
O canteiro de obras do futuro precisa ser mais eficiente e menos poluente. As soluções digitais e elétricas da ZF oferecem abordagens interessantes nesse contexto, além de vantagens competitivas concretas para as construtoras.
Lars Weitbrecht, Abril 08, 2019
author_image
Lars Weitbrecht vem originalmente do mundo da música e dos jogos. Quando não está com um gamepad ou um violão nas mãos, ele gosta de trabalhar com a caneta e desfruta o prazer de manejar um volante.
Não resta dúvida de que o espaço ficará cada vez mais restrito em várias metrópoles ao redor do mundo nas próximas décadas. Em 2010, Nova Déli contava com 22 milhões de habitantes. Segundo o Instituo de Tecnologia da Universidade de Ontário, esse número deverá subir para 36 milhões até 2050. No mesmo período, a população de Mumbai está prevista para aumentar de 19 para 42 milhões e a de Cairo, de 17 para 24 milhões. Atualmente, quase metade das pessoas vive em cidades. As Nações Unidas estimam que, até 2050, essa proporção chegará a mais de dois terços.

A urbanização beneficia o setor de construção civil

A urbanização beneficia o setor de construção civil

As metrópoles oferecem mais emprego e um padrão de vida mais elevado, além de acesso facilitado à educação e serviços de saúde. Em longo prazo, o setor de construção civil global está sendo favorecido pelos benefícios da maior urbanização. Seja na edificação de prédios residenciais, comerciais e industriais ou na expansão da infraestrutura dos transportes e da educação: o crescimento das cidades cria ótimas perspectivas para as construtoras. Com a tendência de aumento da expectativa média de vida, os imóveis precisam ser adaptados para atender às necessidades da população mais velha.

Mais eletrificação no canteiro de obras

Mais eletrificação no canteiro de obras

Essa evolução estimula os fornecedores de veículos especiais, como caminhões betoneira, carregadeiras compactas ou escavadeiras. Contudo, os canteiros de obras também geram ruídos e emissões, que os legisladores e autoridades locais estão combatendo em todo o planeta. “Nas atuais licitações de projetos de construção, o nível das emissões de CO2 é cada vez mais um critério de seleção”, explica Gerhard Stempfer, especialista em eletromobilidade da Divisão de Tecnologia Industrial da ZF. Uma das abordagens lógicas é incentivar a eletromobilidade sem emissões nos canteiros de obras. Não usando diesel, não há liberação de poluentes, o que inclusive diminui os ruídos.
89,3
bilhões de dólares
é o valor estimado das vendas no setor de construção civil em 2020 nos Estados Unidos.

Produtos ZF para o canteiro de obras de amanhã

Produtos ZF para o canteiro de obras de amanhã

Na Bauma, a feira especializada do ramo realizada em Munique, na Alemanha, a ZF recentemente apresentou sistemas de driveline eletromecânico projetados especificamente para máquinas de construção. O maior potencial está nos equipamentos compactos e veículos especiais do segmento de caminhões, como os modelos betoneira. É nessa área que restrições mais rigorosas serão inicialmente aplicadas. Em suas soluções, a ZF alavanca as sinergias geradas pelo portfólio completo de produtos da marca. Apenas para citar um exemplo: o caminhão betoneira elétrico que estreou na Bauma se baseia no acionamento elétrico AVE 130, que a empresa desenvolveu originalmente para ônibus .

Máquinas de construção elétricas: mais econômicas, limpas e silenciosas

Máquinas de construção elétricas: mais econômicas, limpas e silenciosas

Os custos operacionais e de manutenção mais baixos compensam o valor de aquisição mais alto desse tipo de componente elétrico. Além da eficiência econômica e emissões zero, o menor nível de ruído é um aspecto importante em muitas aplicações urbanas. Em comparação com os veículos movidos a diesel, as máquinas de construção elétricas são mais silenciosas. “Isso significa que as construtoras podem aproveitar melhor seus equipamentos à noite ou em áreas especialmente sensíveis a ruídos, como perto de hospitais”, afirma Stempfer.

Canteiro de obras conectado

Canteiro de obras conectado

Fora a eletrificação dos equipamentos, os canteiros de obras do mundo inteiro estão passando por outra evolução. “Acreditamos que, em cinco anos, todas as máquinas de uma obra estarão interconectadas”, comenta Dr. Christian Reischl, responsável por “Conectividade” na unidade de negócios de sistemas fora de estrada da ZF. Mesmo que a previsão seja positiva, o setor de construção civil da Alemanha, por exemplo, ainda está defasado quando o assunto é digitalização – fato que se deve paradoxalmente à boa situação econômica do país. Como as construtoras estão totalmente focadas na realização dos projetos para os quais foram contratadas, elas acabam dedicando muito pouco tempo ao investimento em tecnologias de futuro. “Apesar de não ser nada mais sensato do que pensar justamente nisso agora”, destaca Reischl. Afinal de contas, para poder se diferenciar das concorrentes em longo prazo, as construtoras precisam ser mais eficientes do que nunca. A digitalização e a conectividade das máquinas aumentam a disponibilidade e a eficácia dos veículos utilizados.

Telemetria para otimizar a gestão de processos

Telemetria para otimizar a gestão de processos

Uma solução de telemetria aberta, como o Openmatics da ZF, é um grande ganho nesse sentido. A versatilidade na aplicação disponibiliza às construtoras um gerenciamento de frotas altamente eficiente. Sem contar que as cadeias logísticas podem ser geridas usando tags Bluetooth, de maneira que o planejamento seja otimizado, assegurando a sequência perfeita das etapas do projeto. Além disso, tags inteligentes registram automaticamente as horas de funcionamento das máquinas, possibilitando programar a manutenção, o que por sua vez evita paralisações.

Objetivo: automatização do canteiro de obras

Objetivo: automatização do canteiro de obras

A tendência atual é fazer a integração em nuvem das soluções existentes – de montadoras, prestadoras de serviços e fornecedores. “Em longo prazo, pretendemos otimizar cadeias de processos completas”, ressalta Reischl. Para aumentar a eficiência, veículos e máquinas precisam se comunicar. Um exemplo típico em uma obra seria a entrega automatizada de material. A escavadeira pode solicitar automaticamente um caminhão betoneira assim que uma vala está pronta para ser preenchida com concreto. São muitas as opções que a digitalização do canteiro de obras propicia. “Hoje já existem veículos totalmente autônomos sendo utilizados no setor de mineração. E certamente veremos a condução automatizada e autônoma em determinadas aplicações nos canteiros de obras antes que ela chegue às ruas e estradas”, declara Reischl. Mesmo porque os canteiros de obras são áreas delimitadas e restritas, fazendo com que uma unidade de controle munida de inteligência artificial como o ZF ProAI RoboThink tenha que lidar com uma quantidade bem menor de possíveis situações. Outro desenvolvimento nas obras do futuro é o crescente uso de sensores em veículos e máquinas de construção, sobretudo para detectar e proteger as pessoas em locais de risco, além de evitar colisões dos veículos.

Prevenção de acidentes pela competência em sistemas

Prevenção de acidentes pela competência em sistemas

Considerando apenas a Alemanha, mais de 100 mil acidentes ocorrem a cada ano nos canteiros de obras, sendo que um de cada nove envolve veículos especiais, como pás carregadeiras, tratores de esteira e rolos compactadores. O ponto cego tem um papel fundamental nesse contexto. Só as câmeras externas e os monitores dentro da cabine não solucionariam o problema. Geralmente os motoristas ficam tão concentrados em suas tarefas que acabam não vendo os outros trabalhadores na área de risco – seja na realidade ou na tela. A aplicação de máquinas autônomas equipadas com os devidos sensores aumentará expressivamente a segurança no canteiro de obras. É aqui que entra todo o know-how das diversas unidades de negócios da ZF. Os engenheiros das divisões de tecnologia industrial, eletrônica e ADAS, tecnologia de segurança ativa e tecnologia para veículos comerciais trabalham em parceria para desenvolver conceitos para equipamentos de construção autônomos.

Leia mais sobre a presença da ZF na feira internacional Bauma aqui .