Tecnologia

#tudoautonomo

Condução autônoma: a chave do sucesso

tempo de leitura miúdo
Tags: ConduçãoAutónoma, InteligênciaArtificial

Veículos autônomos requerem inteligência artificial e imensa potência de processamento. Munido de IA, o ZF ProAI RoboThink é o controle de maior desempenho do setor automobilístico. Os diferentes modelos do ZF ProAI oferecem versatilidade máxima.
Lars Weitbrecht, Janeiro 07, 2019
author_image
Lars Weitbrecht vem originalmente do mundo da música e dos jogos. Quando não está com um gamepad ou um violão nas mãos, ele gosta de trabalhar com a caneta e desfruta o prazer de manejar um volante.
Na hora de dirigir, é necessário processar uma grande quantidade de informações. Hoje, essa tarefa é assumida pelo ser humano – parcialmente auxiliado por sistemas avançados de assistência ao motorista. Mas, em breve, os veículos serão capazes de transitar sozinhos. Para poderem reagir corretamente com segurança em todas as situações, eles precisam de inteligência artificial e um “cérebro” eletrônico com imensa capacidade de processamento. Com a nova geração de unidades de controle ZF ProAI com IA, a ZF revela que encontrou a fórmula para o sucesso da condução autônoma.

Você já parou para pensar com quantos dados visuais toda pessoa é confrontada a cada segundo? Pesquisadores calcularam que o nervo óptico de cada olho transmite aproximadamente 1 milhão de bits de informações ao cérebro por segundo. Parte-se do pressuposto de que a retina comprime esses dados antes de serem reencaminhados às nossas células cinzentas.
Os veículos também têm várias formas de entender o ambiente a seu redor. Nos últimos anos, os sistemas avançados de assistência ao motorista (ADAS) baseados em câmeras e radares tornaram o trânsito bem mais seguro. Agora, as montadoras e seus fornecedores como a ZF estão preparando a próxima etapa: a condução autônoma. Assim que os carros puderem transitar sozinhos, a falha humana – que, do ponto de vista estatístico, é a causa mais frequente de acidentes – não será mais um fator a ser considerado.

Condução autônoma – a próxima geração

Condução autônoma – a próxima geração

Os carros autônomos necessitam de inteligência artificial (IA). Afinal, é impossível programar antecipadamente os veículos para cada uma das prováveis situações que podem ocorrer nas ruas e estradas, incluindo a solução adequada. A solução é projetar os carros com habilidades cognitivas semelhantes às do cérebro humano para que eles possam tomar decisões que não foram registradas em seu código. Em frações de milésimos de segundo, os automóveis autônomos devem estar capacitados a obter uma visão panorâmica de 360° de seu entorno, interpretar essas informações, verificar sua própria posição, rastrear a localização de qualquer fonte de perigo e, obviamente, calcular e realizar as devidas manobras.

O ZF ProAI RoboThink é capaz de processar
150000000000000
operações (150 teraflops) por segundo

ZF ProAI RoboThink

Isso requer uma enorme potência de processamento – que as atuais unidades de controle padrão não possuem. Foi por isso que a ZF desenvolveu o ZF ProAI RoboThink, o supercomputador automotivo dotado de IA apresentado na Feira de Eletrônicos de Consumo (CES) de 2019, incluindo em seu portfólio a caixa de comando veicular mais potente do mercado. O mais recente modelo da linha de produtos ZF ProAI é equipado com um processador gráfico próprio e oferece potência de processamento superior a 150 teraflops (o que equivale a 150 trilhões de operações por segundo), sem contar que sua modularidade possibilita a combinação com até quatro unidades, resultando em um desempenho total de 600 teraflops. A título de comparação: em 1969, o computador da Apollo 11 dava conta de 41,6 operações por segundo.

Potência escalável para qualquer aplicação

Potência escalável para qualquer aplicação

A escalabilidade da plataforma ZF ProAI é especialmente atrativa para as montadoras. “O conceito modular do hardware e a arquitetura aberta do software são os grandes diferenciais do ZF ProAI”, afirma Torsten Gollewski, responsável pela engenharia avançada da ZF e diretor da ZF Zukunft Ventures GmbH. Os quatro modelos da linha ZF ProAI podem ser perfeitamente programados para qualquer utilização – das funções básicas ADAS até os carros autônomos e tecnologias industriais. Os clientes também podem selecionar livremente a arquitetura do software. Com quatro versões, a ZF cobre a gama completa de possíveis aplicações:
  • Gen1: modelo básico para ADAS segundo os padrões do Euro NCAP 2022
  • Gen2: para a condução parcialmente e altamente automatizada dos níveis 2 e 3
  • Gen3: para a condução altamente automatizada até o nível 4
  • RoboThink: para funções de condução autônoma do nível 4 e superior

Linha de produtos ZF ProAI

Mobilidade como serviço: prova de fogo da potência de processamento

Mobilidade como serviço: prova de fogo da potência de processamento

Os especialistas preveem que a maior procura de unidades de controle com IA será nos serviços de ride-hailing (transporte personalizado). O intuito dos robotáxis sem motorista é reduzir as emissões de CO₂ e os congestionamentos nas cidades, além de poupar tempo e proteger o meio ambiente, sem abrir mão da mobilidade individual. Nesse campo, a necessidade de potência de processamento é particularmente grande. “A demanda de mais potência de processamento por parte dos prestadores de serviços de ride-hailing surgiu bem mais cedo do que o previsto. O mercado de condução autônoma está sendo muito mais impulsionado pelas novas operadoras de mobilidade do que pelas montadoras estabelecidas”, comenta Gollewski. A razão disso é que, nas aplicações de mobilidade como serviço, os veículos não só precisam processar o que está acontecendo à volta deles – o que já é uma tarefa desafiadora –, mas também têm que integrar os dados dos usuários pela nuvem, fazer pagamentos e, acima de tudo, determinar e percorrer o trajeto ideal. Algoritmos complexos calculam as rotas com base nos requisitos de mobilidade e transporte dos passageiros ou mercadorias e fazem uma comparação em tempo real com as condições atuais do trânsito. Tudo isso apenas é possível com um computador central de alto desempenho – como o ZF ProAI RoboThink.